Vem aí o 39º Congresso da AMBF

Nosso congresso este ano, mais uma vez devido a pandemia, será todo on-line.

Ele acontecerá no dia 18 de setembro de 2021, das 9h às 18h, ininterruptamente. Todo transmitido pelo Youtube e Facebook.

O tema deste ano será: Tema: Cuidem-se. E nossa divisa: Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, pois ele tem cuidado de vós – 1Pe 5:7.

O Orador Oficial será o MM Urgel Lota.

Teremos workshop com temas atuais. tais como:

A introdução e contagem regressiva será feita ao piano com a participação do MM Geremias Pereira.

E mais participações como:

PARTICIPAÇÕES

  • Coros Virtuais de diversas igreja da Convenção Batista Fluminense e de outras Convenções.
  • Coro Virtual dos Ministros de Música da AMBF.
  • Trio de Violões com Nelson Bomilcar, João Alexandre e Jorge Camargo.
  • Solo de Sinos, com Didison Reis de Belo Horizonte, MG
  • Duo Siqueira Lima (violão).
  • Congresso Kids. Com participações de Grupos Infantis e apresentação de Ventriloquismo com Lília Godoy.
  • Momentos de descontração com vídeos de humor.
  • Divulgação das Instituições da Convenção Batista Fluminense e outros.
  • Saudação do 1° Presidente da AMBF – MM Marciano Gregório.
  • Saudação de Presidentes de diversas Associações de Música de outros Estados.
  • Ministros de Música falando do seus minsitérios em suas respectivas igrejas, apresentação de seus Ministérios de Louvor.
  • Entrevistas com o Presidente da AMBB – MM Anderson Costa, com o Diretor Executivo da Convenção Batista Fluminense – CBF – Pr. Amilton Vargas e com o Presidente da Convenção Batista Fluminense – Pr. Elildes Macharete Fonseca,

E muito mais…

Faça já sua inscrição gratuita e online, para ficar por dentro de todas a novidades que serão informadas até o Congresso!

https://abre.ai/ambf2021

Esperamos você!

LIVE AMBF 2020

LIVE_AMBF_2020_POSTQueridos Músicos Batistas Fluminenses,
Devido ao cancelamento do 38º Congresso da AMBF, em razão da pandemia do Coronavírus, o qual ocorreria nos dias 25, 26 e 27 de setembro na Primeira Igreja Batista de Rio Bonito, realizaremos uma LIVE no dia 26 de setembro (sábado) com participações especiais, interações e até mesmo testemunhos de pessoas que viveram momentos únicos nos últimos congressos.
Por isso, convidamos todos vocês a participarem dessa celebração!
Fiquem atentos aqui para mais informações!

A LIVE será transmitida pelos canais de Youtube e Facebook da Convenção Batista Fluminense:

Facebook: https://www.facebook.com/convencao.fluminense
Um grande abraço,
MM Altiene – Presidente da AMBF

LIVE_AMBF_2020_site

CANCELAMENTO – 38º Congresso

AVISO_CANCELAMENTO_CONGRESSO_2020_SLIDERPrezados Músicos Batistas Fluminenses,
Devido ao fenômeno da “Pandemia do Coronavirus” que vem assolando o Brasil e o mundo, fica cancelado o 38º congresso da AMBF que aconteceria nos dias 25, 26 e 27 de setembro de 2020 na Primeira Igreja Batista de Rio Bonito.

Decisão tomada pela Diretoria e Comissão Executiva da AMBF, após analisar os efeitos negativos que essa pandemia vem causando à população e, consequentemente, afetando às igrejas evangélicas no Brasil e no mundo, levando-se em conta, também, o grande número de pessoas desempregadas por conta da quarenta. O que acarretaria falta de recurso financeiro para arcarem com as despesas de inscrição para o congresso.

Estaremos vendo a possibilidade de realizarmos o 38º Congresso nos dias 24, 25 e 26 de setembro de 2021, na Primeira Igreja Batista de Rio Bonito.

Rogamos a Deus que nos abençoe e que esse tempo de pandemia sirva para refletirmos melhor no que Deus tem reservado para cada um de nós.

Que Deus tenha misericórdia de todos nós nesse tempo e que Ele nos abençoe!

Diretoria da AMBF

Aconteceu o nosso 37º Congresso

IMG_7245Nos dias 20 a 22 de setembro de 2019, realizou-se mais um Congresso da AMBF, o de número 37,  na PIB em Araruama, RJ. Com diversas oficinas, recitais especiais e cultos abençoadores, tivemos dias de muito louvor, aprendizado e adoração a Deus. Você pode ver aqui em nosso site, as fotos e vídeos de tudo o que aconteceu.

22 de novembro – Dia do Músico

dia-do-musico-1280x720Em algumas igrejas existe restrição quanto a considerar alguém como músico, limitando-se o uso desse nome para designar apenas o ministro de música e alguns poucos instrumentistas (geralmente remunerados), mas nós entendemos que músicos são todos aqueles que executam e lideram a música na igreja, mesmos os amadores, e nesse grupo também se incluem os que cantam nos coros e os vocalistas das chamadas equipes de louvor.
Todos estes fazem parte de uma grande e importante atividade da igreja, que constitui o ministério da música. Notem que escrevemos “ministério da música” e não “ministério de louvor”, pois louvor não se ministra, apenas se lidera. É importante frisar que cada crente é responsável por apresentar seu louvor, algo que ninguém pode ministrar em seu lugar. Os músicos lideram a música, mas não cantam sozinhos; é preciso que toda a congregação participe.
Aliás, é essa participação da congregação que valoriza e honra o esforço dos músicos de levar a igreja a oferecer a Deus um louvor mais qualificado, mais bonito. Todo mundo pode cantar, desafinado ou não, esse é um dom que Deus não negou a ninguém. Temos visto apresentações até de coros de mudos! Na verdade o louvor é um prazer que o crente tem. Infelizmente, alguns não abrem sua boca. Será que não têm alegria de louvar o Senhor?
Aqui cabe também um lembrete aos músicos de que seu trabalho não deve ser feito de maneira descuidada, de improviso, sem planejamento. É preciso gastar tempo aprendendo, ensaiando, escolhendo o melhor e executando de coração, com humildade, aquilo que vai ser apresentado como louvor ao Senhor. Sim, ao Senhor, pois o propósito da música da igreja é honrar e glorificar somente a Deus.
Aqui ficam registrados nosso reconhecimento e nossa gratidão aos músicos de nossas igrejas.
Pr. Sylvio Macri

Música do coração

Música do coração
Música do coração

Costumamos ouvir e também abordar temas sobre a adoração neste novo tempo. E nós, evangélicos desde o início deste século, temos procurado razões e meios para definir adoração que prestamos a Deus por meio de encontros, congressos, simpósios, etc.

Será que temos encontrado fronteiras na nossa caminhada como adoradores? Ou temos sido as fronteiras que impedem a nós mesmos e as outras pessoas de reconhecer Deus como o verdadeiro sentido da adoração?

Deus procura adoradores, aqueles que o adorem em espírito e em verdade, e não um povo que se aproxima dEle e O honra só da boca para fora, enquanto seu coração e o seu pensamento estão distantes dele.

A primeira missão da Igreja é adorar a Deus e a segunda missão é proclamar o Evangelho, anunciando a todos os povos Jesus Cristo como único caminho que conduz a Deus, para a reconciliação do homem com ele, que é o foco da adoração.

Quando o verdadeiro foco da nossa adoração é esquecido surgem situações desgastantes e conflitos no meio da Igreja. De um lado, os da “nova geração” que, por estarem envolvidos em “novos conceitos” de adoração, muitas vezes, desprovidos de verdades bíblicas, levados por uma “onda atual”, mergulham de cabeça e olhos fechados em um novo sentimento de adoração, sem considerar uma história que fora construída para servir de base para nossa fé.

De outro lado, alguns crentes de “carteira assinada”, que se intitulam experientes e se fecham em um único momento de sua história como em um gueto, ficam confinados e estáticos às mudanças, criam resistência e, muitas vezes, ojeriza a um “novo canto” e às novas experiências com Cristo.

Experimentar o novo não quer dizer abandonar ou renegar as raízes. Não podemos desconsiderar a importância e as experiências individuais. Verificamos na história mudanças que influenciaram a vida da humanidade por meio da ciência, da comunicação, das artes em geral e de outros campos. A música, por exemplo, é uma arte que traz experiências à vida de cada indivíduo. Os cristãos, em todos os tempos na história, têm sido influenciados pela música.

Neste tempo não é diferente. A música de hoje deve sair do coração e falar ao coração. Ela deve ser uma música sentida e não desprovida de sentimentos. Lutero se referiu à música como um dom de Deus que, frequentemente, o despertava e movia a alegria da pregação e ocupava, depois da Teologia, o lugar mais elevado e de maior honra. Ele disse ainda: “Meu coração palpita e se emociona em resposta à música, que tem me refrescado e libertado de pragas malignas”.

Será que hinos de antes ou os atuais têm falado aos nossos corações? (“Mais perto quero estar”; “Eu te louvarei, te glorificarei…”). A música tem sido objetiva ou subjetiva? O que podemos aprender com elas, quais os benefícios da música para nós, os crentes da atualidade? Será que ela está associada a gostos humanos ou ao agrado e à vontade divina?

A forma pela qual usamos a música, como um meio de adoração a Deus, deve estar ligada ao verdadeiro foco da nossa adoração, e não limitada à nossa apreciação musical. Ela não deve ser vista como um motivo para separação, intrigas ou para conflitos de gerações no meio da Igreja. A música tem e sempre terá um papel fundamental no meio cristão. Ela é uma arma poderosa, quando bem usada e, aliada à Palavra, torna-se infalível contra o inimigo.

A adoração, quanto à sua forma e qualidade para este tempo, é uma adoração que usa de recursos avançados para o engrandecimento do Reino de Deus e, sobretudo, é uma adoração discernida pela fé, espiritualmente.

Devemos usar todos os recursos disponíveis e adequados para o louvor a Deus com qualidade e responsabilidade. Mas, qualquer recurso tornar-se-á em vão se não conseguirmos ter equilíbrio em nossa vida pessoal e interpessoal, ou seja, um equilíbrio de forma coletiva.

Deus se revela a cada um de forma individual, assim como a todo o seu povo de forma coletiva. Então, quando estamos como Igreja de Deus, Corpo de Cristo reunido, precisamos de equilíbrio e comunhão com os demais membros do corpo, respeitando as diferenças, desigualdades essas que nos unem, suportando-nos uns aos outros.

Deus é imutável. Ele é o Deus de ontem, hoje e eternamente. Assim como são as verdades da Sua Palavra.

Estamos na história e na construção da história como estrutura de uma pirâmide que serve de base para estruturas vindouras.

Devemos também dar continuidade de forma mais responsável, regar tudo o que foi bem plantado antes de nós; para que haja crescimento e fortalecimento, assim como Jesus fez com as leis, não as extinguindo, mas dando-lhes sentido por meio de Sua interpretação.

Não somos vitrines para consumo intelectual, mas devemos mostrar nesse tempo, a um mundo com ou sem fronteiras, a mensagem da cruz anunciando a todos os povos que Jesus Cristo venceu a morte na cruz do Calvário, sendo ele o único meio pelo qual podemos encontrar, verdadeiramente, um sentido para a adoração, dando-nos acesso a Deus para que em tempo e fora de tempo O adoremos em espírito e em verdade.

Ery Herdy Zanardi
(Extraído de O Jornal Batista)

Feliz Dia do Músico

Dia-do-Musico-JAM-MusicPr. Sylvio Macri
Em algumas igrejas existe restrição quanto a considerar alguém como músico, limitando-se o uso desse nome para designar apenas o ministro de música e alguns poucos instrumentistas (geralmente remunerados), mas nós entendemos que músicos são todos aqueles que executam e lideram a música na igreja, mesmos os amadores, e nesse grupo também se incluem os que cantam nos coros e os vocalistas das chamadas equipes de louvor.
Todos estes fazem parte de uma grande e importante atividade da igreja, que constitui o ministério da música. Notem que escrevemos “ministério da música” e não “ministério de louvor”, pois louvor não se ministra, apenas se lidera. É importante frisar que cada crente é responsável por apresentar seu louvor, algo que ninguém pode ministrar em seu lugar. Os músicos lideram a música, mas não cantam sozinhos; é preciso que toda a congregação participe.
Aliás, é essa participação da congregação que valoriza e honra o esforço dos músicos de levar a igreja a oferecer a Deus um louvor mais qualificado, mais bonito. Todo mundo pode cantar, desafinado ou não, esse é um dom que Deus não negou a ninguém. Temos visto apresentações até de coros de mudos! Na verdade o louvor é um prazer que o crente tem. Infelizmente, alguns não abrem sua boca. Será que não têm alegria de louvar o Senhor?
Aqui cabe também um lembrete aos músicos de que seu trabalho não deve ser feito de maneira descuidada, de improviso, sem planejamento. É preciso gastar tempo aprendendo, ensaiando, escolhendo o melhor e executando de coração, com humildade, aquilo que vai ser apresentado como louvor ao Senhor. Sim, ao Senhor, pois o propósito da música da igreja é honrar e glorificar somente a Deus.
Aqui ficam registrados nosso reconhecimento e nossa gratidão aos músicos de nossas igrejas.

Adorar como um caminho de cura espiritual e total…

img_3536-e1456027173576Westh Ney Rodrigues Luz

Adoração, que é no grego e hebraico, biblicamente falando curvar-se, prostrar-se em honra e submissão ao Senhor Deus, o Poderoso, Onipotente, Onisciente, Onipresente, o Alfa e ômega da existência, o Amoroso, Benigno, Compassivo, JUSTO, Digno e o que cada um pode constatar na seu Encontro e caminhada com ELE, provoca nossa reflexão sobre nós mesmos.

Pensando, constatando assim, lançamos um olhar sobre quem somos e o que faremos diante do ETERNO que nos desnuda. Isto nos leva à meditação que nada somos e a constatação que não podemos e nem queremos viver sem esta presença doce e digna que nos dá a dimensão de nós mesmos.

Ao percebermos quem somos e a fragilidade do que somos feitos começamos a nossa cura pois, então agora sim, o Senhor pode purificar e perdoar-nos pois, na Adoração, como disse acima, fomos confrontados com o Santo de Israel e na meditação sobre isto caímos e reconhecemos humildemente que nada somos, mas o seu amor nos alcançou- então só nos resta a Confissão – Perdoa-me Senhor!

E quando a Confissão, o reconhecimento acontece então começou a cura realmente.
O Senhor Deus alivia a nossa alma com seu presente gracioso que é a SUA GRAÇA e nos perdoa. Nasce agora uma nova criatura pronta para atender o apelo do seu Senhor:
– “A quem enviarei ao povo que precisa desta mesma Graça? Quem enviarei para alegrar, confortar e fazer diferença neste mundo?”

Queridos amigos só pode proclamar ou ter ou receber de Deus uma missão de Deus quem teve a Visão do Senhor da Obra.